A Revolução Copernicana

Em nosso tempo há mais revoluções na terra que estrelas no céu. Noite e dia as mídias alardeiam qualquer coisa revolucionária e nossa vida atravessa suas pequenas revoluções. Mas de todas, nem as políticas foram capazes de revolucionar literalmente o mundo inteiro como a primeira, desencadeada em 1543 por um livro que trazia seu destino no nome: A Revolução das Esferas Celestes. Ironicamente, seus cálculos intrincados nada têm da rebeldia e verborragia revolucionária, e seu autor, um pacato cônego polonês, só o publicaria no último ano de vida com relutância, talvez menos pelo temor da perseguição que do ridículo.

A ideia da Terra girando em torno do Sol afrontou a um só tempo o senso comum, as escolas milenares de Aristóteles e Ptolomeu, e astrônomos competentes como Tycho Brahe. Em seu poema A Anatomia do Mundo John Donne desabafava:

O sol está perdido, e a terra, e a sabedoria de nenhum homem
Pode bem orientá-lo a onde encontrá-la.

Nisso concordavam os chefes das facções religiosas como Calvino e Lutero. Para Melanchton, homens como Kepler “por amor à novidade, ou para expor sua ingenuidade, concluíram que a terra se move. . . . É falta de honestidade ou decência afirmar tais noções publicamente, e o exemplo é pernicioso”. Por fim a Igreja católica se uniu à luta, e a condenação do velho Galileu em 1633 passou para a história como o seu momento mais constrangedor. Durante o século e meio seguinte “uma crença no universo centrado na terra se transformou gradualmente de um sinal essencial de sanidade para um indício, primeiro de inflexível conservadorismo, depois de excessivo paroquialismo, e finalmente de completo fanatismo” (Thomas Kuhn). Na época de Newton a revolução astronômica já invadia em ondas as esferas da filosofia e da cultura elevando a ciência ao seu papel atual de suprema autoridade sobre os saberes.

Mas o que olho nu de Copérnico viu que nenhum outro vira? Como seus correligionários puseram a Terra toda para rodar? Como a transformaram de centro do universo num planeta entre planetas girando ao redor de um Sol que virava uma estrela entre estrelas perdidas no infinito? Como entendiam a relação entre a fé e a ciência? E como nos ensinam a pensar duas vezes antes de ridicularizar uma hipótese à primeira vista lunática?

Convidados

Claudemir Tossato: professor de Epistemologia e Filosofia da Ciência na Universidade Federal de São Paulo e autor de O conhecimento científico. 

Eduardo Kickhöfel: professor de História da Filosofia da Renascença na Universidade Federal de São Paulo e coordenador do grupo de pesquisa La Fabrica delli Strumenti de Galileu Galilei .

Pablo Mariconda: professor de História e  Filosofia da Ciência da Universidade de São Paulo, tradutor e editor do Diálogo de Galileu Galilei.

oferecimento

Fontes em O Grande Teatro do Mundo
No acervo do Café Filosófico – CPFL

100 anos de Evolução da Ciência (1912 a 2022) – Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho

Referências
  • A Revolução Copernicana (The Copernican Revolution) de Thomas Kuhn (Edições 70).
  • The History of Astronomy – A Very Short Introduction de M. Hoskin.
  • Galileo’s Intellectual Revolution de W.R. Shea.
  • Novità celesti e crisi del sapere, vários autores, editado por P. Gallluzzi.
  • Galilei e Keplero. Filosofia, cosmologia e teologia nell’età della Controriforma de Massimo Bucciantini.
  • Galileu Galilei e la cultura scientifica nell’età della Controriforma de M. Camerota.
  • The Reception of the Galilean Science of Motion, vários autores, editado por J.M.M.H. Thijssen.
  • En Torno a Galileo de José Ortega y Gasset.
  • “Astronomia”, “Cosmologia”, “Nicolaus Copernicus”, “Johannes Kepler”, “Galileo Galilei” na Enciclopedia Filosofica Bompiani.
  • Storia dell’astronomia em Storia dele scienze de G. Abetti.
  • A Source Book in Astronomy and Astrophysics de R.L. Kenneth.
  • Storia dell’astronomia de R. Miglivacca.
  • A History of the Warfare of Science with Theology in Christendom de Andrew D. White.
  • Astronomy and History de O. Neugerbauer.
  • La cosmologia nella storia de A. Masani.
  • The Cambridge Concise History of Astronomy, vários autores, editado por M. Hoskin.
  • The Gradual Acceptance of the Copernican Theory of the Universe de Dorothy Stimson.

Errata

  • A frase atribuída a Lutero na locução introdutória (“por amor à novidade, ou para expor sua ingenuidade…”) é na verdade de Melanchton (em Initia Doctrinae Physicae).

Apresentação: Marcelo Consentino
Produção: Biancamaria Binazzi

6 de setembro de 2017