O Aleijadinho

“O novo Praxíteles… que honra igualmente a arquitetura e a escultura. … Superior a tudo e singular nas esculturas de pedra … é Antônio Francisco … Tanta preciosidade se acha depositada em um corpo enfermo que precisa ser conduzido a qualquer parte e atarem-se-lhe os ferros para poder obrar”. Afora uns parcos registros cartoriais, este trecho de um memorando de 1790 sobre a capitania das Minas Gerais é praticamente a única notícia conhecida sobre o Aleijadinho enquanto vivo. Entre estes dois extremos de uma obra gloriosa e uma vida miserável a obscuridade é tamanha que a partir dela já se inferiu e se questionou de tudo: a autoria de suas obras, seu valor, as motivações do artista, sua doença e até sua existência. Já sua primeira biografia, escrita 44 anos após sua morte, é para muitos suspeita de magnificar em chave romântica o herói artista; de dramatizar o gênio marginalizado pela sua cor, sua classe, sua doença; o monstro sublime que triunfa sobre o sofrimento com um esforço criativo sobre-humano. Ironicamente, o biógrafo, Rodrigo Bretas, já alertava para as “exagerações que se vão sucedendo e acumulando” sobre os indivíduos admiráveis até se compor “uma entidade ideal”. Os modernistas o reconfiguraram como um ícone do sincretismo nacional que deglutiu os cânones europeus e o imaginário africano e indígena para dar à luz uma obra original. O entusiasmo encomiástico de Mario de Andrade chega a proporções épicas: “O artista vagou pelo mundo. Reinventou o mundo. O Aleijadinho lembra tudo! Evoca os primitivos italianos, esboça o Renascimento, toca o Gótico, às vezes é quase francês, quase sempre muito germânico, é espanhol em seu realismo místico”. Mas é um caso exemplar das oscilações interpretativas sobre sua obra que enquanto Mario enxergava nas desproporções de suas estátuas a antecipação visionária do expressionismo, Oswald de Andrade só via “ignorância crassa” sobre anatomia, a mesma que acusaram tantos estrangeiros desinteressados dos cultos nacionais. Por outro lado, para um escritor com a sensibilidade e erudição do mexicano Carlos Fuentes o mulato foi o maior “poeta” da América colonial; Lezama Lima o considerava a “culminação do barroco” na América; e para o crítico, historiador da arte e diretor de desenho e pintura do Louvre, Germain Bazin, este “Michelangelo brasileiro” foi “o último grande criador de imagens cristãs”. A controvérsia entre os construtores do mito e seus demolidores promete não ter fim. Mas embora estes últimos estejam escorados em sólidas inconsistências sobre a vida e a obra do Aleijadinho, não seriam as próprias torrentes de tinta e saliva consumidas nesta batalha em torno a elas o maior testemunho da sua potência plástica e indelével?

Convidados

André Tavares: professor de História da Arte da Universidade Federal de São Paulo

Angela Brandão: professora de História da Arte da Universidade Federal de São Paulo

Mozart Bonazzi: professor da Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Referências

  • O Aleijadinho: sua vida, sua obra, seu gênio de Fernando Jorge.
  • O Aleijadinho e a escultura barroca no Brasil de Germain Bazin.
  • Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho de Rodrigo Jose Ferreira Bretas. 
  • O Aleijadinho e Alvares de Azevedo de Mario de Andrade.
  • Aleijadinho: passos e profetas e O Santuário de Congonhas e a arte de Aleijadinho de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira. 
  • Aleijadinho e o aeroplano: o paraíso barroco e a construção do herói colonial de Guiomar de Grammont.
  • Iniciação ao barroco mineiro de Affonso Avila. 
  • Congonhas Bíblia de cedro e de pedra de Marcos Barbosa.
  •  História da arte brasileira de Pietro M. Bardi. 
  • Arquitetura e arte no Brasil colonial de John Bernard Bury.
  • O Aleijadinho, Antonio Francisco Lisboa de Teofilo Feu de Carvalho. 
  • Pérola torta: Aleijadinho de Ronaldo Simões Coelho. 
  • O Aleijadinho de Delson Gonçalves Ferreira.
  • Mestre Antonio Francisco, o Aleijadinho de Rudolf Armin Freudenfeld. 
  • Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho de Renato Alves Guimarães.
  • O Aleijadinho: uma síntese histórica: monumentos e tradições de Minas Gerais de Marcio Jardim.
  • O Aleijadinho e a arte colonial de Augusto de Lima Junior 
  • O enigma do Aleijadinho e outros estudos mineiros de Aires da Mata Machado Filho. 
  • Aleijadinho e seu tempo: fé, engenho e arte editado por Fábio Magalhães.
  • E eles verão a Deus…: o drama de Aleijadinho de Kurt Pahlen.
  • O Aleijadinho: a vida intensa e a desventura de Heitor Pedrosa. 

Produção e apresentação: Marcelo Consentino

Produção técnica: Compasso Coolab