Thomas Mann

Pouco antes da Primeira Grande Guerra, um jovem alemão perdido numa nevasca a ponto de morrer congelado esvaía-se em delírios quando se percebeu acolhido numa comunidade idílica, até notar atrás de si um templo e dentro dele duas megeras seminuas devorando um bebê vivo. Despertando de sua alucinação o protagonista do romance A Montanha Mágica formulou esta máxima: “Em nome do bem e do amor, o homem jamais deveria permitir que a morte domine seus pensamentos.”

Aos 25 anos Thomas Mann publicou seu romance de estreia sobre a decadência de uma família mercantil como a sua. Os Buddenbrook, até hoje o maior best-seller da ficção alemã, lhe renderia o Nobel de Literatura, já revelando sua singular “consciência sismográfica”, o “alinhamento secreto” entre o “pessoal e o fatual” que lhe permitia, através de jogos irônicos, contrastes e alusões, transformar a matéria da vida ordinária em forma espiritual. Suas tapeçarias monumentais urdidas por tramas autobiográficas e fictícias justapõem em progressões sinfônicas símbolos e fatos, reflexões filosóficas e intuições psicológicas, trivialidades domésticas e panoramas históricos. Assim, um sanatório nos Alpes se transforma, na Montanha Mágica, em um palco para a dramatização do destino europeu, o “épico de um desenvolvimento cultural” capaz de “abraçar toda a dialética política e moral ocidental”. Um relato lacônico, como o da tribo de Jacó na Bíblia, se torna, nas duas mil páginas de José e seus irmãos, o exercício de “uma viva curiosidade sobre o que é mais remoto e antigo nas coisas humanas: o mítico, o lendário, o tempo antes do alvorecer da razão”. Uma lenda medieval, como a do pacto entre um alquimista e o diabo, serve no Doutor Fausto à mais fina psicografia da consciência alemã em meio à catástrofe nazista. Já consagrado como o romancista de maior apelo da literatura alemã, Mann foi ainda o principal porta-voz da resistência a Hitler. Suas locuções radiofônicas difundidas do exílio pela rádio BBC no território do Terceiro Reich foram um bombardeio moral.

Ao traçar os primeiros esboços para a Montanha Mágica, Mann anunciava a um amigo: “O espírito geral é o de um niilismo humorado, e a balança é, se for, levemente empurrada para o lado da simpatia pela morte.” O mesmo poderia ser dito de praticamente todas as suas obras. Exceto que, muitas vezes, a balança é empurrada para o outro lado.

Convidados

Cláudia Dornbusch: professora de língua e literatura alemã da Universidade de São Paulo e autora de A literatura alemã nos trópicos.

Marcus Mazzari: professor de literatura comparada da Universidade de São Paulo e coordenador da coleção Thomas Mann da Companhia das Letras.

Paulo Soethe: professor de língua e literatura alemã da Universidade Federal do Paraná e membro da Associação Internacional de Germanística.

Oferecimento

Fontes em O Grande Teatro do Mundo
Referências
  • Conhecer Thomas Mann e sua Obra de Eugenio Trias.
  • Modern Novelists – Thomas Mann de M. Travers.
  • Der Zauberer. Das Leben des deutschen Schriftstellers Thomas Mann de Peter de Mendelsssohn.
  • A Companion to the Works of Thomas Mann, editado por H. Lehnert e E. Wessel.
  • The Cambridge Companion to Thomas Mann, editado por R. Robertson.
  • Thomas Mann. Das Leben als Kunstwerk de Hermann Kurze.
  • Terra Mátria – a Família de Thomas Mann e o Brasil de Paulo Soethe, K-J Kuschel e outros.  
  • Cahier Thomas Mann, Éditions de l’Herne, editado por F. Tristan.
  • Thomas Mann, o Artista Mestiço de R. Miskolci.
  • Understanding Thomas Mann de H. Mundt.
  • Os irmãos Mann de Nigel Hamilton.
  • Thomas Mann. Lifes as a Work of Art. A biography de H. Kurtze.
  • “A Montanha Mágica”, entrevista com Jorge de Almeida e “Morte em Veneza” com Cláudia Dornbusch para o programa Literatura Fundamental da Univesp-TV.
  • A literatura alemã nos trópicos de Cláudia Dornbusch.
  • Thomas Mann – une vie une oeuvre transmissão radiofônica da Radio France Culture
  • The Magic Mountain: Modern Critical Interpretations organizado por H. Bloom.
  • The ironic German: A Study of Thomas Mann de E. Heller.
  • Thomas Mann de György Lukács.
  • Invito ala lettura di Thomas Mann de C. Becagli.
  • “Thomas Mann” na História da Literatura Universal, Vol. IV, de O.M. Carpeaux.
  • Thomas Mann’s World de I.G. Brennan.
  • Thomas Mann. Werk und Entwicklung de H. Mayer.
  • Thomas Mann. The Mediation of Art de R. Hinton Thomas.

 

Apresentação: Marcelo Consentino
Produção: Biancamaria Binazzi  

4 de outubro de 2017