O Épico de Gilgamesh

Gilgamesh nasceu, a um tempo, mais de dois mil anos antes de Cristo e quase dois mil anos depois. Após seu reinado na cidade de Uruk, na Mesopotâmia, foi praticamente inexistente para nossos ancestrais desde os tempos de Moisés ou Homero até o século XIX, quando sua história cunhada em tabletes foi exumada dos escombros da antiga Nínive, hoje no Iraque, e decifrada em Londres. Apesar de não ser o primeiro fragmento literário nem narrativo, pela sua potência e amplitude, ela foi consagrada como a “História mais Antiga do Mundo”. É também das mais abrangentes, contendo tudo o que faz uma história apaixonante – batalhas, sexo, monstros, aventuras, mágica, lealdade, morte – mas explorado com uma profundidade raras vezes igualada por todas as histórias que vieram depois. Os leitores modernos viram nela uma precursora das questões mais polêmicas da contemporaneidade: da preservação ambiental à legitimação do amor homossexual até a emancipação dos oprimidos. Não por acaso, os sumérios conheciam Gilgamesh como “Aquele que supera todos os reis” e os acádios como “Aquele que o abismo viu”. Como aos descendentes de Noé, lhe foi dado ver a destruição cataclísmica da raça humana; como os grandes heróis da antiguidade, ele foi filho de deuses e homens; como Heitor ou Aquiles, foi o maior guerreiro de seu povo; como Ulisses, percorreu os confins do mundo, mas não só para retornar à sua casa, e sim, como Enéias, para criar uma civilização; como eles, e Dante, atravessou o mundo dos mortos; como Fausto e o jagunço Riobaldo do Grande Sertão, transacionou com forças demoníacas para ultrapassar os limites humanos; e, como este último, tocou a imortalidade através do amor do melhor amigo e ao preço de sua morte. No preâmbulo, o poeta nos assegura que ele foi um titã em força e sabedoria. Mas tudo o que vemos em sua história é um tirano impiedoso com seu povo, ímpio com os deuses, impudente com as mulheres e imprudente com a natureza, que sacrificou a vida do seu amigo por um capricho; menosprezou as virtudes da vida familiar; abandonou suas responsabilidades para viver como um vagabundo selvagem; perdeu um elixir prodigioso por desleixo; perseguiu soluções quiméricas para o mistério da vida; e, na hora extrema, a ponto de receber a verdadeira resposta, foi incapaz de ficar acordado por mais de 5 minutos e dormiu como uma criança.

Convidados

Jacyntho Brandão – Professor emérito de letras clássicas da Universidade Federal de Minas Gerais e tradutor da Epopeia de Gilgámesh.

Katia Pozzer – Professora de história da arte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e coordenadora do Laboratório de Estudos da Antiguidade Oriental.

Marcelo Rede – Professor de História Antiga da Universidade de São Paulo e autor de Família e Patrimônio na Antiga Mesopotâmia.

O primeiro Dilúvio

Referências

  • Ele que o abismo viu: Epopeia de Gilgámesh, tradução, introdução e comentários de Jacyntho Lins Brandão.
  • A Mesopotâmia de Marcelo Rede.
  • Babilônia: A mesopotâmia e o nascimento da civilização de Paul Kriwaczec.
  • Nossa Herança Oriental. A História da Civilização. I (Our Oriental Heritage: The Story of Civilization)de Will Durant.
  • The Babylonian Gilgamesh Epic. Introduction, Critical Edition and Cuneiform Texts de A.R. George.
  • “Epic of Gilgamesh”, entrevista com A. George, F. Reynolds e M. Worthington para o programa In Our Time, Radio BBC 4.
  • Ancient Epic Poetry de Charles Rowan Beye.
  • Its meaning and functions in ancient and other cultures de G.S. Kirk.
  • Civilizations of the Ancient Near East editado por Jack M. Sasson.
  • The Gilgamesh Epic: A Masterpiece from Ancient Mesopotamia de William Moran.
  • Gilgamesh among Us. Modern Encounters with the Ancient Epic de Theodore Ziolkowski.
  • The Treasures of Darkness. A History of Mesopotamian Religion de Thorkild Jacobsen.
  • Myths from Mesopotamia da série Oxford World’s Classics, editado por Stephanie Dalley.
  • Gilgamesh de Louis M. Pryke.
  • The Epic of Gilgamesh de Morris Jastrow.
  • The life of a poem de Michael Shmidt.
  • A captivating guide to ancient Mesopotamiam History and Civilizations.

 

Produção e apresentação: Marcelo Consentino

Produção técnica: Compasso Coolab

20 de janeiro de 2021